27 de out de 2010

Panorama dos Sites Educacionais Brasileiros - Parte 2

Holla!

Voltando ao exercício de enxergar o lado crítico, mas também de entender novas possibilidades de trabalho digital, vamos direto espiar os próximos sites acadêmicos deste post: belas artes, espm, uninove e unicid.

Notadamente percebe-se a "pegada artística" na interface, com fundo pincelado trazendo uma idéia de liberdade criativa aliada à uma linguagem textual mais jovem, como prega sua missão que é "... criar, produzir e difundir conhecimento por meio das artes, da cultura e das ciências humanas e sociais, visando a formação humanística de seus alunos."

Mas...ainda está lá no cartesiano, nos boxes, na tipografia tímida e no baixo destaque visual para seu elemento mais importante (assim penso) : o aluno. Note o espaço dedicado (lembra da Missão?) aos trabalhos dos "seus". Ponto para o ba.blog que puxa a prática do compartilhamento coletivo.

Bom, eu esperava mais e acredito ser possível uma linguagem hipermidiática com forte apelo ao conteúdo espontâneo...afinal, estamos falando de uma escola, basicamente, geradora de idéias criativamente potenciais.



















Com a proposta de "ser reconhecidos nacionalmente como um centro de excelência (“Aqui se ensina a competir com competência”), fica praticamente comprometida a possibilidade de se acreditar (como se apresenta o menu em toda sua lateral esquerda) na seriedade desta renomada instituição. Ou foi muito boa outrora, ou o cuidado com esta importante (senão vital) ferramenta de relacionamento foi abandonada, desacreditada e desmerecida.

Vamos lá: Se você fala (ou pretende falar) com o Executivo, está "OK" um elemento mais sóbrio, aquele terno preto alinhado. Se você fala (idem) com um Descolado, está "idem" uma camisa megacolorida, um par de havaianas dourado, e um óculos Armani bem grande. Agora, misturar os dois universos em um mesmo corpo, é descrédito. Ou perda de fé!

Considerando ainda a (falta de) A.I. orientada a diferentes clientes "visitantes" e a navegação fragmentada, a maioria dos princípios elementares de design para web, falando em 2010, estão comprometidos. Não?! Navegue com vontade, e depois me conte.





Mais um belíssimo caso do caos. Me diga, porque eu, que quero simplesmente saber quando é o próximo vestibular para "Administração de Empresas", preciso ver 30 banners diferentemente diferentes e, claro, chamando meu clique desnecessário. Ah sim, o vestibular... encontrei! o da MEDICINA. :S

Sim, esse é um assunto de A.I., concordo, mas é impossível praticar a arte integrativa sem antes um planejamento facilitador, ou seja, tudo anda (ou inexoravelmente, andará) junto. Sobre o estilo, há uma preocupação fotográfica diluída em fotos de imagebank que, junto com o sonho azul, promove a paz e o sucesso, barato.



Diferentemente das outras abordagens profusas, aqui há uma preocupação melhor com o volume de pedestres selvagens que seu cadillac terá que desviar...se fosse um game com muito cinza e algumas laranjas.

Ainda com uma linguagem visual típica da década anterior, que destoa de seu projeto educacional onde "O modelo pedagógico adotado nos cursos de graduação segue uma postura inovadora e de vanguarda baseada no Saber, Saber-Fazer e Saber-Ser."



E aí gente, será que conseguimos absorver mais sobre a cena? Vale a pena mesmo desligarmos a emoção e sermos mais críticos? Podemos pensar em novos tipos de desenvolvimento, olhando as coisas? Acredito que "inovação" sempre vem depois de "observação", então agradeço você que leu! Até o próximo, valeu...

22 de out de 2010

Panorama dos Sites Educacionais Brasileiros - Parte 1

Como escrevi no post anterior, a idéia desta pesquisa é analisar brevemente como a Direção de Arte encaixa (e se) na interface das principais instituições acadêmicas daqui de Sampa, a partir de alguma aderência com a marca e seus valores. Outra coisa: sem propostas, somente levantamentos. Simbóra?

Pelo passar de olhos ao primeiro scrool, nota-se que o valor da "tradição e pioneirismo na Educação" é, de certa forma, representado pelo conceito de "portal" com imenso volume de links e rótulos que competem entre si e não orientam o interator a um caminho suave. Este modelo "tablóide", muito usado em formatos noticiosos, passa mais uma idéia de desorganização, onde as coisas são "jogadas" conforme vão aparecendo, em vez de um respeito ao planejamento e à arquitetura de informação pensada na entrega das maiores atividades desejadas por quem acessa o site. Serão alunos? Serão ex-alunos? Ou simplesmente um investidor? O fato é que, se o logotipo é vermelho, as cores estão ali: vermelho, e vermelho, e vermelho, em uma cama branca. Será um hospital? De fato, não. Mas pelo porte da instituição, faltou uma direção artística renovada para este novo século.























Está lá no site, item "Missão : O rigor na produção do conhecimento, o compromisso com a sociedade e a qualidade de ensino são os pilares da proposta educacional da Universidade."
Muito bem, entendo então que estão vivendo um momento "azul", onde é fácil sonhar na conquista de seu próximo diploma, que ali as pessoas se relacionam bem e a promessa de dias melhores é grata. Há uma abordagem fotográfica, os menus distintos são bem posicionados, temos rótulos, ícones, constrastes, diferenças de pesos tipográficos e, novamente, um volume incrível de conteúdo para seus olhos escolherem: direita? esquerda? ahiba? abaho?
Talvez, uma melhor condução óptica, planejada, poderia trabalhar efetivamente os pilares. O que é mais importante para o candidato ao vestibular?

















Ainda na largura de 760 pixels, fruto da época em que se projetavam interfaces para encaixar nos 800 x 600 de resolução padrão dos antigos monitores, o Senac parou no tempo. Até o logotipo ficou defasado, fora de forma, organicamente encurralado pelos quadrados... e com tantos outros itens "laranja" que gritam alto e não explicam o porque deste tom, no meio de tantos outros competidores pelo seu clique. Note o posicionamento do "campo de busca"...será que ele existe...para te ajudar a buscar algo? Porque vc buscaria algo neste site? Levando em consideração que o flash de destaques tem 10 (!) destaques, é bem provavel que vc até se encontre, depois de algum tempo.
De acordo com as palavras do Diretor Regional..."Tudo é organizado em estreita sintonia com as necessidades educacionais colocadas pela ênfase de desenvolvimento local, com excelência de instalações e equipamentos e expertise de nossas equipes pedagógicas" e "Está embutido nos valores professados pela marca Senac São Paulo o forte compromisso social da instituição". Você consegue encontrar estes valores neste site?

















Oba! sinto o cheiro de coisa boa...pelo menos no menu! De rápida resposta ao seu clique, ele funciona bem, apesar do verdão e o texto pequeno, do volume de links e da ordenação A>Z. Detalhe: resolução antiga, alinhamento à esquerda, uso desnecessário de flash. Tem uma ambiência mais limpa que os anteriores e até que pontua interessantemente em sua A.I., mas ainda poderia ter caprichado melhor, trazendo elementos de marca e o forte reconhecimento de seus cursos mais vanguardistas.














Como já era esperado, estas instituições tem um grande desafio: sintetizar o imenso volume de conteúdo que é produzido diariamente, apresentando de forma inteligente e respondendo as principais perguntas para CADA TIPO de visitante.
A arte pode ser um grande aliado, trazendo suporte para o conteúdo, melhorando a navegação e trazendo felicidade em lá estar.
No próximo post vamos conhecer outras instituições! valeu ;)

12 de out de 2010

Panorama dos Sites Educacionais Brasileiros

Há muito tenho despertado interesse para compreender melhor quais os critérios visuais e ergonômicos, que orientam as instituições de ensino superior na criação de seus websites. Já tive necessidade, várias vezes, de buscar informações sobre cursos que tinha interesse, e além do aspecto puritano "forma x função", em muitas delas senti uma enorme dificuldade em navegar, encontrar, guardar e compartilhar.

Longe de aprofundamentos técnicos e nano-detalhistas, acredito que este cenário web representa muito do que temos em saula de aula: o compromisso com transparência e feedback. Ou seja, o "faça o que eu digo mas não faça o que eu faço" é latente. Para este primeiro laboratório, separei as instituições em duas principais categorias: Privadas e Públicas.

Sendo brasileiro e conhecendo a dificuldade de se conseguir uma vaga universitária pública (na prática), vamos então à primeira delas, quatro em cada post, na seguinte ordem:

> mackenzie / http://www.mackenzie.br/
> puc / http://www.pucsp.br/
> senac / http://www.sp.senac.br
> anhembi-morumbi / http://portal.anhembi.br/index.html
> belas artes / http://www.belasartes.br/
> espm / http://www.espm.br/ConhecaAESPM/Pages/default.aspx
> uninove / http://www.uninove.br/Paginas/Home.aspx
> unicid / http://www.unicid.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?tpl=home
> unicsul / http://www.cruzeirodosul.edu.br
> oswaldo cruz / http://www.oswaldocruz.br/
> são judas tadeu / http://www.usjt.br/
> casper líbero / http://www.casperlibero.edu.br/home/
> fgv / http://portal.fgv.br/
> ibmec / http://www.insper.edu.br/?gclid=CKzH8MTry6QCFYyRzAodRVJ7Dw
> uniban / http://www.uniban.br/portal/
> faap / http://www.faap.br/

Faltou alguma? Bom, enquanto isto, que tal escolher a(s) sua(s) e ver com seus próprios olhos, antes que os meus começem a controlar os dedos no próximo post? ;)