29 de jun de 2009

Entrevista com Amanda Sanchez, D.A. da Grass Roots Brasil

Neste intervalo troquei algumas boas idéias com minha colega de profissão Amanda Sanchez, que é bacharel em Design de Interfaces pela PUC-SP, atua há cinco anos no mercado de comunicação digital e gráfica e atualmente D.A. da Grass Roots Brasil, criando campanhas nacionais e internacionais para grandes clientes.

[] Amanda, conta como é seu cotidiano profissional e quais são os principais desafios que sua direção de arte enfrenta? Você poderia comentar e mostrar algum trabalho seu para a web que achou interessante o caminho e o resultado final?


Em 5 anos que trabalho com design já vi muita coisa legal, tanto na internet, quanto na mídia impressa. A dinâmica de conhecimento de branding, mercado e o relacionamento que uma agência proporciona é imensa.

A cada cliente desenvolvo um novo projeto em uma nova área, com conceitos e identidades visuais completamente diferentes uns dos outros. Entrar em cada um desses universos é uma experiência interessante e nova.

Nesse tempo, já trabalhei com marcas de bebidas (Sagatiba, Diageo... ), tecnologia/hardware/software (Microsoft, Lenovo, HP... ), telefonia (BlackBerry, Telefônica...) e instituições financeiras (ABN Amro Bank, Finasa...).

Todos eles tiveram aspectos interessantes durante o processo, seja por ter sido um projeto global (ABN Amro Bank - para mais de 70 países), por ter incentivado e motivado as pessoas a melhorarem as suas performances (Microsoft Unique) ou por ajudar o meio ambiente e a sociedade (ECO Lenovo e Espaço BlackBerry).

[] O que vc pensa sobre a explosão da comunicação on-line focada no relacionamento coletivo?

A internet sempre esteve aí para compartilharmos informações. Os próprios blogs já existiam antes mesmo de se chamarem blogs, além dos famosos ICQ, mirc e afins.

Vejo que atualmente, as formas de se comunicar e relacionar, assim como as ferramentas web que permitem isso, evoluíram. Vemos o Orkut, Facebook e Twitter disparados em estatísticas de acessos. Muita gente foi atraída para a web por conta desses sites de relacionamento e, para muitos, infelizmente, esta ainda é sua única utilidade.

Paralelamente ao fator amigável dessas ferramentas, existem as condições mais favoráveis para o acesso à internet em qualquer lugar. Existem lan houses para quem não tem condições de acesso em casa!

Hoje vemos acontecer uma revolução via Twitter! Acredito que a grande diferença da internet, bem como da aceitação das redes sociais, está no modo como as pessoas passaram a ver a internet e qual sua importância em suas vidas. Além das linhas de códigos e layouts atraentes, estão as pessoas que os acessam... Elas sim fazem a diferença, o fracasso ou sucesso de qualquer coisa.

[] E para encerrarmos com chave de ouro...?

Cada projeto é um filho que nasce. E é necessário gerar, cuidar, criar e ver crescer. Certamente no meio do caminho pode acontecer algo que tem que ser melhorado ou cuidado com mais atenção. E é neste momento em que ocorre um grande aprendizado.

Acredito que o maior aprendizado - mais do que livros, escolas, gurus do design ou qualquer outra coisa - está na hora em que ouvimos uma crítica e sabemos levá-la para o lado construtivo; sabemos que não é só a NOSSA (designers) opinião que conta; e, principalmente, que ninguém sabe tudo sobre tudo - é necessário estarmos sempre nos reciclando e descobrindo novos caminhos.

Ah, e conheçam meu portfólio aqui e aqui também.

26 de jun de 2009

Arte Minimal ou Minimalismo?

É comum ouvirmos e até comentarmos sobre determinado site ser "clean"ou minimalista, com poucas cores e imagens, predominância de "ar" e conteúdo textual como elemento principal. Isso é pensar e ser mínimo? Além disso, qual a real aderência com o estilo de arte nascido nos Estados Unidos em meados dos anos 50 e que ganhou um capítulo exclusivo na História da Arte? Semana que vem ;)

23 de jun de 2009

Além do lugar comum, de fato

Gostaria de comentar sobre outro exemplo de site editorial, que além de trazer o desafio de reposicionar conteúdo impresso para a web (oq não é uma missão das mais fáceis se considerarmos a transição digital do tudo que conhecíamos como tradicional), podemos pensar que a interface tem uma responsabilidade também "artística" de gerar atração, curiosidade e se tudo correr bem, a consequente compra/assinatura do produto.

Este caso é um redesign experimental da revista Corpo a Corpo, umas das mais importantes no segmento nacional com foco à mulher moderna. Note como nossos novos monitores wide possibilitam ampliar uma direção de arte escalável:



E agora uma interessante aplicação visual que amplia a percepção do produto através do uso conceitual...



Para elevar a direção de arte além do lugar comum, é preciso exercer o olhar crítico em busca de novos espaços e formatos, constantemente.

E você, gostaria de apresentar algum link ou idéia interessante sobre?

18 de jun de 2009

Além do lugar comum

Semana que vem mostrarei um exemplo de redesign que impulsiona a arte para além do lugar comum destinado ao conteúdo e, 1- como ela pode construir ambiência favorecendo a marca, e 2- consequentemente e inconscientemente, aumentando o desejo de Ter.

15 de jun de 2009

Maxim Brasil

MAXIM, sucesso mundial presente em 32 países e editada em 26 idiomas (no Brasil pela Escala), é uma combinação peculiar de jornalismo com humor irreverente, abordando os assuntos que um homem gosta e precisa saber. Recomendo não só pelo conteúdo interessante, mas pela direção de arte editorial que é complexa, favorecendo a rápida leitura através de um grafismo bem marcante.



Mais do que conectar arte a conceito, a direção deve guiar para algo usável, assertivo e que seja viável sua implementação futura pela equipe técnica. O exemplo neste caso fica por conta da integração swf e html na home, onde em um mesmo espaço óptico temos os principais destaques da edição corrente com um apelo fotográfico e transições vetoriais do logotipo, acoplado ao menu principal, também já grudado com a capa atual e seu convite animado para assinatura que, embora seja apenas um botão, traz a genética da revista.



O site você confere aqui ;)

11 de jun de 2009

Sobre o termo Direção de Arte Web

Antes de mais nada, quero agradecer você por estar aqui, a teoria e a prática da escrita devem ter um propósito, e alguém para ler! De fato, escrever sobre esta área nova é um desafio, a web brasileira amadureceu, as empresas usam-na e as pessoas também, e muito. Falando sobre a arte, acredito que falta ainda um bocado de incentivos para alcançar o maior público. Exemplo? Ainda hoje tenho alguma dificuldade de entender porque o MASP/SP não abre 24 horas/dia 365 dias/ano, e de graça. Oq vc acha? deveria? Ou talvez mais, um MASP em cada bairro? Bom, essa é minha sincera opinião...considerando os tributos e os impostos...mas! voltando...sem desfoque...qual o real papel da arte, como ela se posiciona, aparece, complementa, impulsiona vendas e sua intersecção com o web design? Lá vamos nós...quero sua opinião!

7 de jun de 2009

Terminando configs...

...e os últimos detalhes do layout...paciência! primeiro post: direção de arte para a revista Maxim Brasil agora em 15/06/2009. Quero que vc participe também, link na lateral direita para seguir ;)