29 de jun de 2009

Entrevista com Amanda Sanchez, D.A. da Grass Roots Brasil

Neste intervalo troquei algumas boas idéias com minha colega de profissão Amanda Sanchez, que é bacharel em Design de Interfaces pela PUC-SP, atua há cinco anos no mercado de comunicação digital e gráfica e atualmente D.A. da Grass Roots Brasil, criando campanhas nacionais e internacionais para grandes clientes.

[] Amanda, conta como é seu cotidiano profissional e quais são os principais desafios que sua direção de arte enfrenta? Você poderia comentar e mostrar algum trabalho seu para a web que achou interessante o caminho e o resultado final?


Em 5 anos que trabalho com design já vi muita coisa legal, tanto na internet, quanto na mídia impressa. A dinâmica de conhecimento de branding, mercado e o relacionamento que uma agência proporciona é imensa.

A cada cliente desenvolvo um novo projeto em uma nova área, com conceitos e identidades visuais completamente diferentes uns dos outros. Entrar em cada um desses universos é uma experiência interessante e nova.

Nesse tempo, já trabalhei com marcas de bebidas (Sagatiba, Diageo... ), tecnologia/hardware/software (Microsoft, Lenovo, HP... ), telefonia (BlackBerry, Telefônica...) e instituições financeiras (ABN Amro Bank, Finasa...).

Todos eles tiveram aspectos interessantes durante o processo, seja por ter sido um projeto global (ABN Amro Bank - para mais de 70 países), por ter incentivado e motivado as pessoas a melhorarem as suas performances (Microsoft Unique) ou por ajudar o meio ambiente e a sociedade (ECO Lenovo e Espaço BlackBerry).

[] O que vc pensa sobre a explosão da comunicação on-line focada no relacionamento coletivo?

A internet sempre esteve aí para compartilharmos informações. Os próprios blogs já existiam antes mesmo de se chamarem blogs, além dos famosos ICQ, mirc e afins.

Vejo que atualmente, as formas de se comunicar e relacionar, assim como as ferramentas web que permitem isso, evoluíram. Vemos o Orkut, Facebook e Twitter disparados em estatísticas de acessos. Muita gente foi atraída para a web por conta desses sites de relacionamento e, para muitos, infelizmente, esta ainda é sua única utilidade.

Paralelamente ao fator amigável dessas ferramentas, existem as condições mais favoráveis para o acesso à internet em qualquer lugar. Existem lan houses para quem não tem condições de acesso em casa!

Hoje vemos acontecer uma revolução via Twitter! Acredito que a grande diferença da internet, bem como da aceitação das redes sociais, está no modo como as pessoas passaram a ver a internet e qual sua importância em suas vidas. Além das linhas de códigos e layouts atraentes, estão as pessoas que os acessam... Elas sim fazem a diferença, o fracasso ou sucesso de qualquer coisa.

[] E para encerrarmos com chave de ouro...?

Cada projeto é um filho que nasce. E é necessário gerar, cuidar, criar e ver crescer. Certamente no meio do caminho pode acontecer algo que tem que ser melhorado ou cuidado com mais atenção. E é neste momento em que ocorre um grande aprendizado.

Acredito que o maior aprendizado - mais do que livros, escolas, gurus do design ou qualquer outra coisa - está na hora em que ouvimos uma crítica e sabemos levá-la para o lado construtivo; sabemos que não é só a NOSSA (designers) opinião que conta; e, principalmente, que ninguém sabe tudo sobre tudo - é necessário estarmos sempre nos reciclando e descobrindo novos caminhos.

Ah, e conheçam meu portfólio aqui e aqui também.

Nenhum comentário:

Postar um comentário