15 de set de 2010

Arte à Mobilidade: Entrevista com Ricardo Ogliari

Na semana passada estava conversando com meu colega de pós-graduação, Ricardo Ogliari (foto abaixo), um dos profissionais mais respeitados da nova geração em tecnologia mobile. Falávamos sobre tendências criativas para interfaces de celulares, e resolvemos oficializar este bate-papo em forma de entrevista. Ricardo, vamos então falar tudo para o mundão?


















== Por favor, apresente suas credenciais para o pessoal!

Meu nome é Ricardo da Silva Ogliari, sou formado em Ciência da Computação pela Universidade de Passo Fundo, pós-graduando em “Web: Estratégias de Inovação e Tecnologia”, pelo SENAC-SP. Trabalho na Navita, criando aplicativos para a plataforma BlackBerry, além de estudar outras tecnologias, como o Android, para futuras aplicações.
Comecei a trabalhar com programação logo no início da faculdade, obtendo uma bolsa em um estágio acadêmico. Viajei pela programação desktop e web, porém, quando me deparei com o mundo da Computação Móvel, não quis saber de outra coisa. Desta época em diante, tenho utilizado diferentes plataformas móveis, como Java ME, RIM, Android, Bada e outras, no meu ambiente de trabalho. E hoje, a convite do Ale, vou falar um pouquinho sobre mobile e criação de arte.

== Como você tem percebido a evolução da comunicação digital através dos aparelhos móveis?

Para mim, os aparelhos móveis são quase análogos à comunicação digital, pois permitem que pessoas estejam em sintonia independentemente de cabos e/ou localização geográfica. Porém, sabemos que as redes de telefonia no Brasil ainda não se equiparam as redes do Japão e Estados Unidos, por exemplo. Mas é inegável que a forma de se comunicar de todas as pessoas do mundo, até mesmo países mais pobres, sofreu grandes mudanças com o advento dos aparelhos móveis.
O próximo passo é transpor a cultura da maioria da população, que ainda enxerga seu smartphone com 500mhz de processamento, como um equipamento que serve apenas para efetuar e receber ligação. Ah, e enviar torpedos SMS também. Mas acredito que a chamada “geração Y” e o aperfeiçoamento das interfaces de usuário dos dispositivos móveis, vão arrebentar estas correntes.

== A integração social hoje é ampliada pela web, você acredita nisto?

Essa é uma questão controversa e muito delicada.
A integração social pode ser ampliada a níveis impressionantes com o uso da web e da mobilidade. Pessoas que se encontram em lados opostos do mundo podem ser amigas e confidentes, mesmo sem nunca trocar um aperto de mão ou um abraço pessoalmente. Além disso, a web faz com que seus amigos estejam disponíveis quase que 100% do tempo.
Mas existe o lado oposto. Já ouvimos falar, e muito, em exclusão digital. Apesar de estarmos na era da informação, algumas pessoas ligadas a tecnologias podem ficar cegas pelo seu ambiente diário, e não enxergar que a maioria das pessoas no mundo ainda não tem acesso a internet.
Mas, finalizando, acredito que o primeiro ponto citado aqui vai sobrepor o segundo, e, a internet será a mola que regira as relações sociais do futuro.

== Com a chegada de novos aparelhos e formatos móveis, o designer de interfaces pode ser promovido à diretor de arte? Existe uma demanda a criações mais ricas?

Com certeza, já em 2006 participei de alguns projetos mobile em que a equipe de direção de arte estava diretamente envolvida. Todas as imagens, arquitetura da informação das restritas telas dos dispositivos móveis e homologação do layout era feita pela equipe de artes.
De lá para cá essa tendência se acentua gradativamente. Hoje em dia, é muito comum as equipes de desenvolvedores de aplicativos mobile trabalharem em perfeita sintonia com a área de criação dentro de uma empresa. Isso se deve principalmente a mudança de hardware e sistema operacional destes equipamentos. Antigamente, o processo era muito restrito, hoje já temos processadores muito melhores, além de telas maiores e com mais cores (iPhone e Android).

== É possível apontar uma direção de futuro para este cenário?

Apontar um futuro em mobilidade é extremamente perigoso. As coisas mudam, evoluem, se renovam, empresas se fundem, plataformas nascem e morrem a todo instante. Dois exemplos bem atuais: a Palm foi a grande precursora dos PDA´s, porém, a pouco tempo foi vendida para a HP. A Nokia era líder indiscutível, com o avanço dos smartphones está perdendo bastante espaço, e uma nova tríplice se formou: Android, iPhone e RIM (talvez Windows Phone agora) .
Mas pelo menos um ponto é certo, concreto, irreversível: a convergência. Hoje temos tecnologia da informação na quase totalidade dos dispositivos eletrônicos. Temos casas digitais, temos automóveis com o sistema operacional Android. Temos relógios que se conectam com chips subcutâneos, dentre outros. Todas essas tecnologias estão e irão convergir totalmente, criando um mundo totalmente novo.

== E para quem quiser falar contigo...

Podem me encontrar no meu email: rogliariping@gmail.com
Também mantenho meu blog: www.mobilidadetudo.com. Twitter @mobilidadetudo.
Sou co-fundador do Java Móvel: www.javamovel.com
Meus artigos estão disponíveis em http://issuu.com/ricardoogliari e http://www.slideshare.net/ricardoogliari.

Além disso, podemos nos encontrar em algum evento de nerd que acontece por aí.


== Tá falado!! Obrigado a você e a você que leu ;)